A empatia é a sua maior força ou a sua maior fraqueza?

Uma coisa que eu noto sobre a “personalidade útil” é que pessoas prestativas são muito empáticas, estão prontamente assumir a perspectiva dos outros e a sentir o sofrimento das outras pessoas, o que faz com que assumam a responsabilidade pelo bem-estar dos outros e ajude a ajudá-los.

É uma pessoa empática e prestativa? As pessoas de quem gosta, as pessoas com quem trabalha e até estranhos, beneficiam-se da sua natureza útil. A cooperação e a ajuda de pessoas contribuíram para a sobrevivência humana, a mudança social e a produtividade. O mundo, precisa sem dúvida de pessoas empáticas contra as pessoas mais egoístas e implacáveis, neste mundo às vezes frio e duro. 

Mas dito tudo isto, a empatia nem sempre motiva a ajuda saudável. Isso porque, como uma experiência emocional, a empatia é dolorosa e podemos estar tão motivados a reduzir a dor que ajudamos quando não devemos, ou de maneiras que não ajudam.

 A empatia pode levar ao resgate impulsivo quando o resgate não é a melhor coisa a fazer. Pode levar a uma ajuda pouco saudável que permite um desempenho fraco. Isso pode levar a um auto-sacrifício excessivo ou a ajudar de maneiras que comprometam a nossa integridade. 

Se é uma pessoa extremamente empática que facilmente experimenta o sofrimento dos outros, sabe como é difícil estabelecer os limites em torno do que fará pelos outros, e como é difícil quando as pessoas passam esses limites. Com isso em mente, aqui estão algumas estratégias, para tornar a empatia numa força nos seus relacionamentos interpessoais, em vez de uma maldição.

Não corra para resgatar e consertar. O sofrimento empático pode ser intenso e o seu desejo de sufocá-lo pode levar à ajuda impulsiva. Mas se não houver perigo imediato para a vida ou a integridade da outra pessoa, aprenda a anular o seu impulso empático por tempo suficiente para tomar uma decisão fundamentada sobre a sua intervenção. Pense se pode fisicamente, emocionalmente ou financeiramente se dar ao luxo de ajudar e se ajudar, coloca-se em risco de maneira ética ou legal. 

Só porque sente empatia não significa necessariamente que devera assumir a responsabilidade ou precisa de assumir a responsabilidade para consertar a situação do outro. Se decidir ajudar, considere o tipo de ajuda que será mais útil e mais saudável para todas as partes envolvidas. 

Estabeleça limites e seja assertivo. Preste atenção, sente-se manipulado a ajudar alguém de maneiras que acha que não estão certas, ou quando começa a sentir ressentimento. Mantenha-se firme quando está claro que a outra pessoa não tem empatia por si e pelos seus limites. Lembre-se de que eles não têm que aceitar os seus limites para você tê-los. Cabe a si o que fará e não fará pela outra pessoa. 

Cultive a empatia por si mesmo. As pessoas empáticas, especialmente aquelas que têm valores “pró-sociais” que enfatizam o centramento no outro e o dar, podem ir longe demais ao colocar as outras pessoas antes delas mesmas. Não se tratam tão bem quanto tratam os outros e podem extrapolar-se emocional, fisicamente ou financeiramente para servir aos outros. 

Aprenda a dar a si mesmo um pouquinho dessa compaixão em dar aos outros, para poder estabelecer os seus limites de ajuda que precisa para preservar o seu bem-estar sem culpa. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

epatia o que é empatia fraquezas coaching depressão
%d bloggers like this: